Tesouro Direto ou Poupança ?

Tesouro Direto ou Poupança ?

Tenho visto um grande número de especialistas defendendo o investimento no Tesouro Direto, considerando o fato de que os juros líquidos costumam ser bem superiores ao que é oferecido pela poupança.

Recentemente o Tesouro Direto, plataforma de negociação de Títulos Públicos Federais passou por três reformulações importantes: Mudança do nome dos títulos negociados, redução no valor mínimo de aplicação e aumento de liquidez.

Com a nova regra, hoje é permitindo que o investidor adquira 1% de Título Público. Usando como exemplo a LFT (agora nomeada de Tesouro Selic 2021), o valor mínimo para investir passou a ser menos de 70 reais (1% de R$ 6.750,54).

Resgatar a aplicação também ficou mais fácil: diariamente os investidores conseguem vender seus títulos com a garantia da recompra pelo Tesouro Nacional.

Assim, abre-se uma oportunidade para que pequenos investidores passassem a aplicar neste tipo de investimento. No último mês de março, o volume de negócios na plataforma passou de R$ 1 bilhão e superou-se a marca de 480 mil investidores cadastrados.

Mas, diante desta nova porta, surge uma pergunta inevitável: investir no Tesouro Direto é realmente melhor do que investir na poupança? Afinal, quando aplicar no Tesouro Direto é mais vantajoso do que aplicar na poupança?

Alguns custos para se aplicar no Tesouro Direto

Enquanto a poupança é um investimento isento de Imposto de Renda e taxas de administração, o Tesouro Direto incorre em alguns custos extras, como passamos a ver:

1) Imposto de Renda

O IR incidente varia de 15% a 22,5% sobre o rendimento, dependendo do tempo em que a aplicação for mantida. Desse modo, se o valor investido for resgatado em até 180 dias, o IR incidente será de 22,5%. Caso o resgate ocorra depois de 720 dias, o IR será de 15%.

2) Taxa de Administração

Esta taxa é variável, conforme a corretora ou o banco que for utilizado para ter acesso a este investimento. As taxas de administração têm variado entre 0% e 2% ao ano, incidentes sobre o valor total investido.

3) Taxa de Custódia BM&FBovespa

Esta taxa é fixa, restando estabelecida em 0,3% ao ano sobre o valor investido.

Com base nestes custos podemos fazer uma rápida simulação.

Tesouro Direto x Poupança

Para que a gente consiga ter uma noção melhor, resolvi propor uma rápida simulação na qual uma pessoa tem R$ 100,00 para investir. Vamos ver o que ocorreria se ela aplicasse na poupança e o que ocorreria caso o investimento fosse no Tesouro Direto.

Para facilitar nossos cálculos, vamos considerar um cenário em que a taxa Selic está em 13% ao ano e a taxa de administração negociada com a corretora ficou em 0,1% ao ano.

Situação 01 – Prazo de aplicação inferior a 180 dias

Como primeiro cenário, vamos imaginar que o nosso investimento de R$ 100,00 foi mantido por um prazo de 5 meses (150 dias).

Na poupança, teríamos juros mensal de aproximadamente 0,5%. Ao final dos 5 meses somaríamos R$ 102,60.

No Tesouro Direto, considerando a taxa Selic anual de 13%, teríamos saído de R$ 100,00 para R$ 105,22 nestes 5 meses. Entretanto, sobre este valor bruto de resgate, devemos subtrair as taxas de custódia (0,3% a.a.), de administração (0,1% a.a.), e o IR de 22,5%. No final, restaria R$ 103,63.

Situação 02 – Prazo de aplicação superior a 720 dias

Já no segundo cenário, o valor do nosso investimento inicial permanece inalterado (R$ 100,00), mas o prazo passa a ser de 2 anos (720 dias).

Dessa feita, na poupança teríamos, ao final dos dois anos, um acumulado de R$ 116,64, enquanto, no Tesouro Direto, um valor próximo a R$ 123,03 (IR em 15%).

Conclusões: Tesouro Direto x Poupança

Ao que nossas simulações indicam, o Tesouro Direto se mostra vantajoso, tanto diante de um investimento cujo prazo é inferior a 180 dias, quanto em uma aplicação cujo prazo ultrapassa os 720 dias.

É importante frisar que a taxa de administração impacta diretamente o resultado final, de modo que elevadas taxas podem tornar o Tesouro Direto desvantajoso frente à poupança.

Tudo isso serve para reforçar o que os especialistas vêm defendendo há algum tempo: não existem mais motivos para aplicar na poupança diante de uma taxa Selic alta. O Tesouro Direto é um investimento tão conservador e seguro quanto a poupança, mas retorno líquido significativamente superior.

Quer saber mais sobre o assunto? clique aqui e entre em contato.

 

Fonte: http://www.xpi.com.br/blog/artigos/tesouro-direto-nova-poupanca.aspx

 

Whatsapp: (61) 98434-7374
contato@confiancaplanejamento.com
SHN (Setor Hoteleiro Norte) | Quadra 01, Bloco F, Área especial A
Edifício Vision | Sala 1504 - Asa Norte, Brasília-DF